Oii galera, hoje venho mostrar e contar um pouquinho pra vocês das minhas leituras em janeiro, li num total de 4 livros, esperava ter lido mais, porém não foi possível. Então vamos conferir tudo o que eu li e já adianto que foram só leituras boas.


Legend da Marie Lu, comecei lendo essa distopia que é muito bem comentada, só vejo resenhas positivas sobre o livro, então resolvi ler e tirar minhas próprias conclusões e digamos que eu achei bem comum, nada de especial, não é um livro ruim não, muito pelo contrário é um livro bem escrito e desenvolvido, só não me surpreendeu, mas na resenha eu falei um pouco mais sobre. (resenha)


Preciso te contar um segredo do M.S. Alves, esse livro chegou de parceria com a Editora Chiado, o primeiro livro que solicitei, o livro falará sobre Bruno que após saber que está com câncer e que tem poucos dias de vida resolve aproveitar a vida ao extremo junto com seus amigos, porém suas escolhas tem várias consequências que afetará a todos, na resenha eu explico melhor sobre a história e tudo o que eu achei dela. (resenha)


Vinte garotos no verão da Sarah Ockler, um livro incrível, tocante e transformador que irá contar a história da Anna que tem sua vida transformada após perder o seu primeiro amor em um acidente de carro, basicamente o livro retrata o luto, as perdas, transformações e redescobertas, um YA maravilhoso e que eu recomendo muito. (resenha)


A noite das garotas da Izabela Lopes, essa foi minha última leitura do mês e finalizei com chave de ouro, aqui temos um conto leve e divertido que vai narrar alguns acontecimentos típicos de nós adolescentes ou jovens, como as paqueras, brigas com o namorado, vestibular, coisas desse tipo, e terminei essa leitura com gostinho de quero mais, espero que a Iza escreva um livro ou desenvolva a história das meninas porque ela escreve muito bem. E, pra quem ficou curioso a Iza tem um blog o Brincando de Escritora, vale a pena entra lá e conferir o cantinho dela.

Então galera, essas foram as minhas leituras de janeiro, espero que tenham gostado.
- Beijos, Carol!







Título: Legend

Trilogia: Legend, volume 1

Autora: Marie Lu 

Editora: Rocco

Páginas: 256

Ano: 2014

Sinopse: Ambientado na cidade de Los Angeles em 2130 D.C., na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda. O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.

Oii galera, hoje a resenha é de uma das distopias mais bem comentada atualmente entre os leitores, "Legend" aguçou minha curiosidade e nada mais justo do que ler para saber se é mesmo isso tudo que tantos falam. O livro se passa em um mundo distópico conhecido como República da América e contará a história de dois jovens: Day o criminoso mais procurado pelo governo e June uma garota que promete ser o futuro da República, ambos não se conhecem e são de círculos diferentes, mas tudo muda quando o irmão de June é assassinado e Day se torna o principal suspeito, prometendo vingar a morte do irmão a jovem resolve de todas as maneiras conseguir encontrar e matar Day, no entanto quando se cruzam ambos descobrem que o governo não é tão bom quanto parece e que esconde segredos sombrios da população.

June é o futuro da nação, inteligente, astuta, forte e hábil o governo aposta nela todas as fichas de que será uma ótima representante do exército. Day, porém não é diferente de June em nenhum momento com as mesmas características tanto físicas como psicológicas ele é o inimigo número um do governo, uma espécie de Robin Hood moderno: rouba dos ricos e dá aos pobres. Ninguém sabe qual a aparência de Day, ele é em cada momento uma pessoa diferente e ninguém jamais conseguiu captura-lo, no entanto as regras do jogo mudaram e agora ele tem uma oponente a sua altura: June.

No decorrer da trama, vamos vendo esse jogo de gato e rato, o predador e a presa, e temos a evolução da história desde o momento que ambos se encontram até o momento que se inicia a desconfiança contra o governo, Marie Lu construiu um enredo bem interligado, com uma escrita bem estruturada e cheia de detalhes o leitor é arrastado para um mundo de intrigas, mentiras e mistérios.O livro é narrado em cada capítulo sob o ponto de vista de um dos protagonistas: o Day e a June.

Confesso que ler o livro com altas expectativas fez com que eu me decepcionasse um pouco, digamos que o livro não é ruim ou algo do tipo, porém ele não me cativou ao ponto de eu não conseguir desgrudar do livro, a leitura atingia um clímax em que a história ficava cheia de ação e mistério, porém durava dois capítulos ou três no máximo e o nível caía, senti que a escritora não conseguia manter um ritmo mais frenético, que chamasse a atenção do leitor para querer ler mais e mais até saber o fim da história.

"Legend" é uma distopia até que um pouco genérica com um governo opressor, intrigas, mentiras, mistérios e até mesmo um leve romance, o que diferencia a trama é a construção de protagonistas diferentes daqueles dos quais estamos acostumados aqui temos pessoas astutas, inteligentes, que dão cada passo de forma minimamente calculada e que são ao mesmo tempo diferentes, mas iguais, ou seja de círculos sociais diferentes, porém iguais na forma de pensar e agir.Para quem procura um distopia leve, curta é bem escrita e desenvolvida então "Legend" é uma boa pedida, mas não vá com altas expectativas, okay? okay!

“-Nunca lhe perguntei sobre esse nome de guerra. Por que Day?
-Porque cada dia significa novas 24 horas. Cada dia quer dizer que tudo é possível de novo. Você pode aproveitar cada instante, pode morrer num instante, e tudo se resume a um dia após o outro."




Espero que tenham gostado da resenha.
- Beijos, Carol!






Oii galera, hoje resolvi fazer a playlist do mês, porque no domingo eu acho legal ter esse conteúdo diferente pra vocês, apesar de fazer todos os meses vou tentar colocar sempre no fim de semana sábado ou domingo, porque fica melhor né. Então, sem mais enrolação vamos conferir o que eu ouvi de bom durante janeiro:

1) Blame - Calvin Harris ft John Newman , amo música eletrônica (lógico que amo menos que música indie hahaha) e essa do Calvin Harris é maravilhosa, e o mais legal é que na minha opinião ela não é aquela música pesada, mais agitada hahaha ela é diferente, sei lá como explicar. 

2) Do I Wanna Know - Arctic Monkeys , essa música eu conheci através da minha irmã, já tinha ouvido falar da banda, mas nunca dei muita atenção.... bom, até agora né, pois já amo essa música e escuto sem parar.

3) Hey Mama - David Guetta ft Nicki Minaj, Bebe Rexha & Afrojack, essa música já é diferente da primeira, porque ela é eletrônica daquelas que te animam assim que você escuta, e o refrão gruda na cabeça.

4) Liniker - Zero, essa música é a minha queridinha do mês, eu conheci a banda através de um blog ( desculpa, mas não lembro o nome do blog :/ ) e gente que música linda, cativante, e que transmite tanta poesia e emoção na sua canção. É tão gostosa a melodia que você vai escutando e relaxando, e a letra ainda é um bônus à parte, porque como eu já disse ela é poética, sensível e diferente, dá pra perceber que o vocalista canta com a alma e é algo que vem do coração sabe, eu fico tão feliz quando conheço essas bandas diferentes hahaha e na minha opinião Liniker merece mais reconhecimento porque eles mandam muito bem.

5) Crystalised - The XX, pra quem não sabe eu sou fã da banda The XX, na minha opinião eles fazem uma música indie tão gostosa de ouvir com canções viciantes. No início eu não tinha gostado dessa música não, mas depois de ouvir mais uma vez já gostei e muito.





Então galera, essa foi a minha playlist do mês de Janeiro, espero que tenham gostado.- Beijos, Carol !







Oii galera, como estamos em ritmo de carnaval, nada mais justo do que trazer para vocês uma tag temática sobre essa época. A tag se chama "Carnaval dos Livros" e quem criou foi a  Thaís do Pronome Interrogativo. Então vamos começar:

1. Samba enredo: Seu livro favorito de todos os tempos

"Se Houver Amanhã" do Sidney Sheldon é para mim o meu livro favorito de todos os tempo, sempre amei esse livro tanto que já li e reli várias vezes e ele nunca perde seu encanto, uma história com muita ação, suspense, mistério e drama tudo na medida certa, um livro sensacional.

2. Mestre-sala e porta- bandeira: Um livro com um casal arrebatador

Eu escolhi para essa categoria "Belo Desastre" da Jamie McGuire, porque foi esse livro que me fez conhecer e amar o gênero new adult que é atualmente um dos meus gêneros favoritos. Eu amo a história do casal protagonista, a Abby e o Travis são perfeitos juntos.

3. Harmonia: um livro que tenha sido bom do início ao fim.

O livro que se encaixa perfeitamente nessa pergunta é "Depois Daquela Viagem" da Valéria Piassa Polizzi, um dos primeiros livros que eu li quando peguei o hábito de leitura, o legal é que essa história é baseada em fatos reais e vai falar sobre a vida da própria escritora que ainda jovem pegou aids e como sua vida se transformou após isso. O livro se passa em 1996 uma época em que não se sabia muito sobre a doença e havia um grande preconceito. Foi uma leitura perfeita do início ao fim que passa uma mensagem muito interessante sobre como precisamos nos prevenir e sempre conversar com as pessoas ao nosso redor sobre o assunto.

4. Evolução: um livro com uma história perfeita, sem tirar nem por

Eu só tenho uma palavra para descrever esse livro: perfeito. "E Não Sobrou Nenhum" da Agatha Christie é maravilhoso, com uma história repleta de muito mistério e suspense, confesso que em alguns momentos senti até mesmo um medinho hahaha e só tenho uma coisa pra falar à vocês: leiam esse livro, ele é sensacional.

5. Comissão de frente: um livro com uma capa que faz jus à história

Essa capa de "Battle Royale" do Koushum Takami reflete perfeitamente sobre o que vai se tratar a história, basicamente uma turma de alunos é sorteada para participar de um desafio do governo que consiste em deixar isolado os alunos em uma ilha para que eles sobrevivam, mas o detalhe é que para sobreviverem eles precisam matar uns aos outros, dizem que é uma pegada Jogos Vorazes, então pra quem gosta vale a pena conferir Battle Royale.

6. Bateria: um livro que tenha feito seu coração bater mais forte

Bom eu escolhi "A Culpa é das Estrelas" do John Green, porque foi uma história que me fez ficar mais emotiva com o coração batendo mais rápido, uma história emocionante e sensível.

7. Rainha (Rei) da bateria: um escritor que samba na cara da sociedade

Nessa categoria eu roubei um pouco, porque ao invés de escolher uma autora escolhi um autor que é o maravilhoso Sidney Sheldon meu autor favorito, já li vários livros dele e confesso que o cara sabe o que faz viu, ele escreve muito bem, as histórias são perfeitas e incríveis, a cada novo livro uma história diferente, sempre podemos esperar dele algo inovador e surpreendente.


Então galera, essa foi a tag de hoje, espero que vocês tenham gostado.
-Beijos, Carol!









Categorias:

Título: Vinte garotos no verão 

Autora: Sarah Ockler

Editora: Novo Conceito

Ano: 2014

Páginas: 288


Sinopse: Quando alguém que você ama morre, as pessoas perguntam como você está, mas não querem saber de verdade. Elas buscam a afirmação de que você está bem, de que você aprecia a preocupação delas, de que a vida continua. Em segredo, elas se perguntam quando a obrigação de perguntar terminará (depois de três meses, por sinal. Escrito ou não escrito, é esse o tempo que as pessoas levam para esquecer algo que você jamais esquecerá). As pessoas não querem saber que você jamais comerá bolo de aniversário de novo porque não quer apagar o sabor mágico de cobertura nos lábios beijados por ele. Que você acorda todos os dias se perguntando por que você está viva e ele não. Que na primeira tarde de suas férias de verdade você se senta diante do mar, o rosto quente sob o sol, desejando que ele lhe dê um sinal de que está tudo bem.

Oii galera, a resenha de hoje é de um livro que eu queria já faz um tempinho, acho que desde quando teve o seu lançamento e finalmente eu comprei e li "Vinte garotos no verão", um livro incrível. Esse livro conta a história de Anna, uma adolescente que tinha como melhores amigos Frankie e seu irmão mais velho Matt, o único detalhe é que ela era apaixonada por Matt e viveu com ele seu primeiro amor, o problema é que Matt morreu em um acidente de carro. E um ano após a tragédia, Frankie decide que ela e sua melhor amiga Anna devem ter as melhores férias de verão da vida, e o lugar escolhido é a praia em que ela e seu irmão iam todos os anos com os pais e propõe o seguinte desafio: um garoto para cada dia das férias, vinte dias = vinte garotos. Mas para Anna nem tudo é um mar de rosas: como contar para sua melhor amiga que ela sempre foi apaixonada e viveu um grande amor com seu irmão? E o pior de tudo: ela ainda não superou a perda.

"Apenas engulo em seco. Faço que sim e sorrio. Um pé diante do outro. Estou bem, obrigada por não perguntar."

Após a tragédia, todos mudaram, Frankie já não era mais a menina meiga e doce de antes, agora era rebelde e extravagante, seus pais passavam por uma crise no casamento e não sabiam a maneira correta de lidar com a filha e Anna vivia com a dor da perda e com a culpa de não poder contar e nem desabafar com ninguém sobre a relação dela com Matt, pois ela havia prometido à ele que não contaria nada e pretendia cumprir com sua palavra.

Iniciei a leitura já sabendo que iria gostar da história, pois gosto muito de young adult com drama. Sarah Ockler soube criar uma trama tão realista em que sentimentos como luto, a dor da perda e a culpa era tão sinceros que transcendiam o livro e atingia o leitor que se envolvia com a história vivida pelos personagens. Apesar de se tratar inicialmente de um livro com uma premissa triste em nenhum momento o livro foi dramático ou maçante.

A escrita da autora é uma delícia e fácil de ser lida, com uma narrativa em primeira pessoa sob o ponto de vista da Anna, vemos como a vida pode ser difícil, triste, alegre, feia ou linda, tudo depende do momento pelo qual passamos, nunca se sabe o que vai acontecer, e qualquer coisa pode nos mudar de uma hora pra outra. Sarah soube construir personagens reais e humanos que erram e aprendem com seus erros, ninguém é perfeito.

"Vinte garotos no verão" é um livro sensível que trata sobre perda, luto, mentiras, amor e superação. Foi um livro que me fez pensar na vida, em como nos importamos com quem amamos e necessidade de ter alguém ao seu lado para lhe apoiar e confortar, um YA que me marcou de uma forma linda, um livro que todos deveriam ler.

"Toda história é parte de um todo, de uma vida toda, entende? Feliz, triste, trágica, seja o que for, mas uma vida toda."




Espero que tenham gostado da resenha.
- Beijos, Carol!